loading please wait..

O verbo “haver” e sua confusa existência

Com certeza você evita o uso do “haver” em seus textos por medo de errar, certo? Por isso, compartilho com você uma reportagem de Josué Machado, publicada na revista Língua Portuguesa, na qual ele justificativa o problema do emprego desse verbo.

No final, há uma tabela com algumas dicas de como empregar sem erro o temido HAVER. Imprima e complemente seu material de estudo.

___

O verbo que engana

Até redatores experientes podem escorregar no verbo “haver”, quando usado como impessoal

Por Josué Machado

Na análise dos lances de espionagem internacional dos EUA, um experiente comentarista político se distraiu e escreveu no jornal:
“Assuntos importantes podem haver, mas não assuntos graves para negociações de Dilma e Obama.”

Sim: “Assuntos importantes podem haver…”

Ele personalizou o verbo “haver”. Ocorre que, em casos como esse, “haver” é necessariamente impessoal. E, quando funciona como impessoal, não tem sujeito, não concorda com nada. Sendo bom redator, por que terá se confundido? Por certo se enganou com o objeto direto plural “assuntos importantes”, anteposto ao verbo, provavelmente por considerá-lo sujeito. Uma espécie de contaminação sintática. A ordem direta da oração seria:

“Pode haver assuntos importantes, mas não assuntos…”.

Sem o auxiliar, ele não se enganaria e jamais escreveria “hão assuntos importantes…”. Escreveria, sim:

“Assuntos importantes há, mas não assuntos graves para negociações de Dilma e Obama.”

Manuel Said Ali (Gramática Histórica da Língua Portuguesa, Melhoramentos, 1964: 305) lembra que contribuiu para o uso singular do verbo a repugnância lusa pela forma “hão” como verbo nocional (portugueses não toleravam dizer “hão assuntos”). Por isso, prevaleceu o presente do indicativo (“há assuntos”). Por analogia ou inércia, caberia o singular nas demais formas do verbo.

A razão semântica, no entanto, costuma ter mais força que antigos usos. Desde Reflexões sobre a Vaidade dos Homens (1752), de Matias Aires (1705-1763), pipocam no Brasil orações existenciais com “haver” plural (“De quantos nomes, que nunca houverão?”). A forma plural se alternaria ao singular já na fala lusa do século 18.

(Revista Língua Portuguesa, ed. Segmento, n. 98, dez/2013, p. 26-27)

___

 Tabela - verbo haver

Publicado em 17 de setembro de 2014 na categoria Redação

Gostou? Que tal compartilhar!

Autor:

Professora Mariana Santana Marins, formada em Letras pela Universidade Estadual de Londrina e Especialista em Língua Portuguesa, pela mesma universidade. Já trabalhou dando aulas de português e redação para ensino fundamental e médio. Atualmente se dedica em aulas de português para o ensino superior e gramática em preparatórios para concursos públicos. Além disso, trabalha com aulas particulares de português e redação, com revisão e formatação de livros e trabalhos acadêmicos em geral.

Diga-nos o que achou desta publicação?

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>